Pular para o conteúdo principal

Cannes - As mostras paralelas 2







Seguindo com as mostras paralelas do Festival de Cannes, a Quinzena dos Realizadores, também tem participação brasileira. 






A Quinzena dos Realizadores

Criada pela Sociedade Francesa de Realizadores de Filmes apresenta como objetivo contribuir com o público e a crítica e os próprios cineastas ao descobrir novos  talentos e revelar tendências do cinema. Conhecida por revelar talentos como George Lucas, Martin Scorsese, Spike Lee, Manoel de Oliveira, Francis Ford Coppola e sua filha Sofia Coppola. É a mostra mais eclética do Festival de Cannes, apesar de priorizar em sua seleção os primeiros e segundos filmes dos cineastas, a mostra também exibe, curtas e documentários.  

Mesmo não sendo uma mostra competitiva, alguns patrocinadores oferecem prêmios aos filmes selecionados. O único prêmio oferecido pela Quinzena dos Realizadores é o Carrosse d’or, criado em 2002 que homenageia um diretor pela qualidade, coragem e independência de sua obra. Já receberam o prêmio Nanni Moretti, Clint Eastwood, Jafar Panahi entre outros.

O Brasil tem um longo histórico na Quinzena dos realizadores, desde sua criação em 1968, foram exibidos mais de 50 filmes brasileiros, incluindo co-produções e alguns clássicos do cinema nacional como “ Macunaíma”de Joaquim Pedro de Andrade e “Toda Nudez Será Castigada” de Arnaldo Jabor, na edição passada foi a vez do filme “Abismo Prateado” de karim Aïnouz.  Para essa edição foram selecionados 21 longas (17 primeiros filmes) e 9 curtas metragem.

Longas Metragem

A Stange Course Of Events- Raphaël Nadjari
Até ver a luz - Basil da Cunha 
Blue Ruin - Jeremy Saulnier
El Verano de los peces voladores (The Summer of Flying Fish) - Marcela Said
Henri - Yolande Moreau
Ilo ilo - Anthony Chen 
Jodorowsky's Dune - Franck Pavich
L'Escale - Kaveh Bakhtiari
La danza de la realidad (The Dance of Reality) - Alejandro Jodorowsky
La fille du 14 juillet (The Rendez-Vous of Déjà-Vu) - Antonin Peretjatko
Les Apaches - Thierry de Peretti
Les Garçons et Guillaume, à table! (Me Myself and Mum) - Guillaume Gallienne
Magic Magic - Sebastián Silva
On the job - Erick Matti
The Congress - Ari Folman
The Last Days on Mars - Ruairi Robinson
The Selfish Giant - Clio Barnard
Tip Top - Serge Bozon
Ugly - Anurag Kashyap
Un voyageur (Ain't Misbehavin) - Marcel Ophuls
We Are What We Are - Jim Mickle


Curtas Metragem

Gambozinos (A Wild Goose Chase) - João Nicolau
Lágy esö (Soft Rain) - Dénes Nagy
Le Quepa Sur La Vilni! (Wheels and Reels) - Yann Le Quellec
Man Kann nicht alles auf einmal tun, aber man Kann alles auf einmal lassen.  -Marie-Elsa Sgualdo
O umbra de nor (Shadow of a Cloud) - Radu Jude
Pouco Mais de um mês (About a Month) - André Novais Oliveira
Que je tomb tout le temps? (That I'm Falling?) - Eduardo Williams
Solecito - Oscar Ruiz Navia
Swimmer - Lynne Ramsay


Destaque para o curta metragem brasileiro “Pouco mais de um mês” do mineiro André Novais Oliveira, o filme acompanha o dia a dia de um casal de namorados em início de relacionamento, os protagonistas são o próprio André (roteirista e diretor do curta) e sua namorada (na vida real e na ficção). 





Reveladoras, acredito que essa seja a palavra que melhor defina as mostras paralelas do Festival de Cannes.Seguindo com o propósito do festival essas mostras trazem mais liberdade e refresco ao espírito  cinematográfico de Cannes, celebrando o cinema mundial com independência, criatividade e ousadia. 





Texto: Núbia Almeida



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A cueca sumiu

Quando as primeiras imagens do ator Henry Cavill, o novo interprete de Superman no set de filmagem vazaram começou o burburinho.  O novo uniforme do super-herói passou por uma reformulação e a clássica cueca vermelha desapareceu. Mas antes da cueca desaparecer ela já dava pano pra manga. Quem não se lembra da polêmica no volume peniano do ator Brandon Routh (Superman: O Retorno), que segundo os produtores teve que ser reduzido digitalmente porque poderia distrair os espectadores, mais tarde quando foram divulgadas fotos do ator usando cueca vimos que ele não é tão “super” assim. Mas antes de discutirmos porque o Superman perdeu a cueca, vamos descobrir porque ele a usava e por cima da calça. 







Nas décadas de 30 e 40 começaram a surgir os super-heróis, os artistas tinham algumas dificuldades para destacar detalhes masculinos e femininos e demostrar o poder e a força dos personagens, isso se devia as limitações técnicas da época como a qualidade do papel e a impressão que era feita em pre…

O carnaval vai ao cinema

O carnaval é a maior festa popular do país é muito mais do que um simples festejo, é um traço identitário da cultura brasileira.  A festa brasileira, luso-afro-ameríndia , sofreu influências da França, Itália, Portugal e se expressa de diferentes maneiras nas distintas regiões do país. Seja  com a escola de samba, o frevo, o maracatu, Timbalada, os blocos de rua, trio elétricos, carnaboi ou o boi-bumbá, durante quatro dias música, dança, costumes e tradições se misturam para celebrar os Brasis ao mesmo tempo em que promove a inclusão e interação, despertando o sentimento de unidade, de nação que muita das vezes é esquecido ou ignorado com o término da festa. Dada a sua importância para a cultura brasileira, o carnaval, o maior teatro de rua do país, curiosamente é pouco ou não é representado nas manifestações artísticas, com exceção da música. Embora o cinema tenha tido papel importante para a disseminação da música carnavalesca, hoje explora pouco a temática, sendo a maior parte das …

Globo de Ouro 2017 - Vencedores

Aconteceu na noite deste domingo (8) a cerimônia de premiação da 74º edição do  Globo de Ouro. A cerimônia apresentada por Jimmy Fallon teve vários momentos marcantes, a começar pela abertura no melhor estilo La La Land. O filme de Damien Chazelle, estrelado por Emma Stone e Ryan Gosling ganhou 7 estatuetas, ou seja, ganhou em todas as categorias em que foi indicado e se tornou o filme mais premiado do Globo de Ouro. 

O ponto alto da noite foi a homenagem a Maryl Streep, que após 30 indicações e oito premiações foi agraciada com o prêmio Cecil B. Demille  pelo conjunto da obra e fez um discurso contundente e politizado que você pode ver aqui






As atrizes Debbie Reynolds e Carrie Fisher, falecidas no mês passado também foram homenageadas. 


A surpresa da noite foi a vitória da francesa Isabelle Huppert, que ganhou na categoria Melhor Atriz Drama pelo filme "Elle" que foi o vencedor na categoria Filme Estrangeiro. Outra surpresa divertida foi o beijo consolação de Andrew Garfield …